Bemdito

Racha no CV: guerra contra dissidentes tem homicídios e listas de ‘decretados’

Em Fortaleza, três assassinatos relacionados ao conflito foram registrados, e órgãos de Inteligência buscam se antecipar aos crimes

Do silêncio sobre os 500 mil mortos ao estrondoso “Lázaro: CPF cancelado!”

Foto: Alan Santos/PR

Bolsonaro desvia o foco do próprio desgoverno e continua se ocupando de agenda eleitoral, pautada pelo deboche, em aceno ao eleitorado fanático

GDE na espreita para retomar territórios perdidos

Foto: Alberto César Araújo

Fragilidade no Comando Vermelho, com atenções voltadas à guerra com “gangues” dissidentes, pode resultar em investidas da facção rival

“Lost”: racha no CV, criação de nova facção e ameaças de morte

Na comunidade do Oitão Preto, em Fortaleza, parte dos dissidentes do CV teria se articulado para criar uma nova organização criminosa

Racha em facção pode trazer novo grupo criminoso ao Ceará

Órgãos de inteligência investigam possível racha no CV, enfraquecido no Rio e no CE; chegada do TCP também é monitorada

Brasil, onde os ‘matáveis’ padecem por falta de vacina

Negacionismo, negligência e incapacidade mental de Bolsonaro despertaram o fenômeno dos matáveis da Covid

Drogas: Quanto custa proibir?

Foto: Mastrangelo Reino/A2img

Pesquisa inédita aprofunda debate sobre a política de combate às drogas no Brasil e revela o abismo no qual, ano após ano, recursos públicos são despejados no País

Descontrole externo: O aprisionamento político da PM no Brasil

País carece de imediato investimento na criação de órgãos externos, autônomos e independentes de fiscalização e controle

Refugiados urbanos: Uma tragédia social naturalizada e ainda sem vacina

Foto: Danilo Alves

Sem estatística confiável e política pública específica, novos refugiados urbanos continuam surgindo no Ceará e no País

publicado
Categorizado como Sociedade

O declínio da política de segurança pública sob Bolsonaro

Soldado das Forças Armadas em rua de Fortaleza em Fevereiro de 2020 (Foto: Jarbas de Oliveira / AFP)

Ignorando 270 mil mortos, Bolsonaro continua tocando seu projeto pessoal de escalada autoritária