Bemdito

Eu não preciso de terapia

Fazer terapia é como viver eternamente tal qual um Sísifo: empurrando uma pedra ladeira acima a cada nova sessão

A tentação da vida alheia

Bartolomé Esteban Murillo, Duas mulheres na janela, detalhe.

O buraco da fechadura do vizinho e o desejo de se render à bisbilhotice

Quatro impossíveis

Uma carta sobre uma quimera: é mesmo possível realizar a justiça?

Quando junho chegar, eu me espalharei no vento

A mágica beleza do mês que mais faz bem ao Nordeste

Dedos de metal

Os choques de um corpo pronto a absorver a alta voltagem do mundo

A vizinha testemunha ocular

Henri Cartier-Bresson

É tempo de render homenagem a uma polivalente instituição do cotidiano

O inquilino silencioso

Lições que o mofo traz após quarenta dias sucessivos de chuva em Fortaleza, a terra do sol

A garota ideal

Os primeiros gole de whisky e concurso de beleza ninguém esquece

O purgatório do “depois preciso falar com você”

Uma queixa à artimanha mais sacana de Deus

Figurar o medo

Perceber, nomear e figurar o que nos atemoriza é uma grande prova de coragem